A importância de saber dizer “não”.

Frequentemente, no nosso dia-a-dia, deparamo-nos com situações onde queríamos dizer que não a alguma coisa mas, por constrangimento ou por sermos politicamente corretos, não o fazemos. Temos receio de magoar os sentimentos das outras pessoas, parecer egoísta ou anti-social e, por causa disso, acabamos por nos sujeitar a fazer coisas que não queremos, que não precisamos e nas quais não acreditamos. Estas situações, por norma, geram elevada insatisfação pessoal, frustração ou até um ambiente mais tenso à sua volta. Nunca lhe aconteceu estar a planear uma sexta-feira tranquila para descansar depois do trabalho, mas depois aparece aquele grupo de amigos a puxá-lo(a) para sair com eles à noite? Este tipo de situações são bem frequentes e, geralmente, as pessoas acabam por dar o braço a torcer e dispensam do seu fim de dia tranquilo em prol de uma noitada com os amigos. Dar o braço a torcer não é sinal de fraqueza, mas se o fizer muitas vezes, ignorando o seu próprio bem-estar, poderá acabar por se encontrar numa posição pouco digna ou até mesmo injusta para si mesmo(a). Em algumas esferas da sua vida, isso poderá sair-lhe caro.

Por que é importante dizer que “não”?

Imagine que um colega seu lhe pede para fazer um projeto que você não tem mesmo tempo para fazer, ou um conhecido seu questiona se pode emprestar-lhe mais dinheiro. Cada uma dessas (e outras) situações devem ser analisadas cuidadosamente por si, mas se for algo que sente que o vai prejudicar, atrasar, ou simplesmente não lhe vai acrescentar valor, aprenda a dizer “não” sem sentir embaraço por esta palavra. Essencialmente porque um “não”, na maior parte das vezes, consegue preservar os seus limites pessoais e a sua sensação de bem-estar na vida. O segredo de uma boa relação interpessoal é saber respeitar os limites pessoais uns dos outros. Uma maneira de os definir é mostrar ao seu meio até onde podem ir consigo. O “não” comunica aquilo que achamos ou não aceitável, as nossas possibilidades, disponibilidade e por aí adiante. Dizer que “sim” a tudo pode fazer com que sinta que não está a ser respeitado, que não o escutam, que atropelam os seus sentimentos. Importa mencionar que o fato de dizer que “sim”, faz com que a outra pessoa interprete que o está a fazer porque realmente assim o quer ou concorda. Ninguém consegue perceber que esta não seria a sua real intenção. No decorrer da sua vida, isso pode diminuir a sua noção de valor próprio e criar imensas insatisfações. Para evitar isso, deve começar por procurar reconhecer o seu valor, o valor do seu tempo, das suas capacidades, e das diversas dimensões da sua vida em geral. Na vida o segredo para muitas coisas é o equilíbrio. É importante que aprenda a avaliar as situações, a medir o esforço necessário e a tomar as decisões mais corretas para si. Não deve dizer que “não” a tudo. Um “sim” na hora certa e à pessoa certa pode abrir-lhe novas oportunidades e experiências inesquecíveis.

Agora vamos à parte importante…

Como dizer “não”?

  • Utilize a gentileza como sua almofada de proteção: Um “não” não tem que soar rude ou ofensivo. Dê a entender à outra pessoa que não deseja causar-lhe prejuízo. Acima de tudo, não necessita de ser brusco(a). Um diálogo com respeito é o segredo da harmonia entre as pessoas. Exemplo: Soa-me como uma excelente oportunidade, mas vou ter que recusar. Obrigada por me ter em consideração.

  • Não dê demasiadas razões: Um dos nossos maiores problemas, em situações deste género, é sentirmos que, por “estarmos a falhar” para com as outras pessoas, ficamos a dever-lhes mundos e fundos de justificações. É fundamental lembrar-se que ninguém deve nada a ninguém nesta vida e que meter como prioridade o seu bem-estar não é nenhum crime, por isso nunca se sinta como um “criminoso” por fazê-lo. Se se sentir mais confortável, dê uma razão simplificada pela qual está a negar determinada proposta, mas não o faça com um olhar ou voz de culpa. Exemplo: Neste momento, não consigo ajudar-te neste projeto. Tenho datas de entrega super bem definidas que se estão a aproximar e preciso de me focar nas minhas prioridades. Fico mais livre daqui a duas semanas. Se ainda precisares da minha ajuda, diz-me. Terei todo o gosto em ajudar-te.

  • Deixe a porta aberta: Uma maneira de dar a entender às outras pessoas que não as queremos ver pelas costas é propor alternativas para a proposta inicial. Além de ajudar a tranquilizar a sua consciência, não estraga amizades, nem perde oportunidades.

Exemplo: Agradeço imenso pelo teu convite. Soa-me bem divertido, mas hoje não tenho como encaixar. Podemos combinar para a próxima semana? Que me dizes?

Uma técnica que o pode ajudar a identificar os seus limites através da introspecção é o Journaling. No meu último artigo falei precisamente sobre esta técnica. Consulte esta página para saber mais informações. Acima de tudo, não se esqueça que pode entrar em contacto comigo. Eu e a minha equipa faremos o nosso melhor.